Animais do Zoo Santo Inácio sofrem com pandemia

02/03/2021 0 Por admin
Partilhar:

O zoo está fechado há quase dois meses e a situação pode agravar-se em breve se continuar sem público.

A situação do zoológico Santo Inácio, em Vila Nova de Gaia, é “viável”, principalmente em comparação com o primeiro confinamento, mas a pergunta que Teresa Guedes, diretora do espaço, faz é: “Até quando?” A esperança é que as portas do zoo se abram novamente “logo a seguir à Páscoa”, em Abril, até porque já faltou o habitual “riso dos visitantes”, tanto para trabalhadores como para animais. “Olá, olá, olá”, você ouve quando passa pela gaiola da arara.

Em outras ocasiões, seria a saudação de uma das mais de 40.000 crianças que passam anualmente pelas escolas ou de outro visitante, mas desta vez é de uma das araras verdes. Sincronizados com o “olá” da arara, do outro lado da passagem, os cinco macacos-aranha se aproximam do vidro e exibem as suas acrobacias mais habilidosas. Acostumados ao constante movimento de pessoas, esses animais selvagens mas em cativeiro têm sentido a falta de pessoas que os visitam diariamente. “Há uma mudança de atitude e comportamento que pode ser percebida nas fases de transição, quando temos visitantes e não os temos mais, e quando voltamos a tê-los”, diz Carla Monteiro, veterinária do zoológico. Sem estímulos visuais, auditivos ou olfativos, os animais “ficam mais calmos, dormem mais e passam mais tempo em paz”.

Tigres, leões e hienas dormem entre “20 a 23 horas por dia”. Se a presença de pessoas perto da gaiola do tigre siberiano mal desperta a curiosidade do homem solteiro e de duas mulheres, nas gaiolas da hiena, ao menor movimento, a família dos cinco se aproxima para entender quem é. Para compensar a falta de estímulos, a equipa do zoológico trabalha nos “enriquecimentos” e interagindo com os animais tanto pelo corredor técnico como pelo lado dos visitantes. Os “primatas curiosos” recebem “caixas com bolinhas de papel dentro”, o suficiente para se entreterem por algumas horas: “eles abrem as caixas, e colocam-se dentro delas, pegam as caixas e colocam na cabeça é uma animação”, disse ela.

Neste espaço, onde vivem em 15 hectares 600 animais de 200 espécies. Novos companheiros do zoo de Lagos e dos jardins zoológicos de França vão juntar-se em Abril para “reproduzir e melhorar os grupos”. “Os novos animais vão completar grupos para se reproduzir e também melhorar, porque alguns animais não gostam de ficar sozinhos”, revela Teresa Guedes. Enquanto a equipa do zoológico aguarda, tanto pelos visitantes como pelos novos animais, alguns serviços estão a ser “aprimorados e ampliados” como entrada, loja e bilheteira. “Vamos condensar tudo numa área mais ampla, para garantir também que as pessoas fiquem mais longe. Pretendemos estar com isso, tudo pronto para a Páscoa ”, explica. O desejo de Teresa Guedes é que “este ano seja melhor do que 2020”, ano em que foram recebidos 135 mil visitantes (menos 22 por cento do que em 2019), e que “traga de volta o riso das crianças”, concluiu esta responsável do Zoo Santo Inácio.