Espinho investe 28 milhões de euros no Centro Empresarial
Espinho investe 28 milhões de euros no Centro Empresarial

Espinho investe 28 milhões de euros no Centro Empresarial

Partilhar:

O Centro Empresarial de Espinho será o primeiro equipamento no município a apresentar espaços prontos para ocupação imediata por empresas do setor industrial, marcas de serviços e profissionais liberais. O projeto é do Grupo Tagar e representa um investimento de 28 milhões de euros, metade dos quais financiados com capitais próprio do grupo de empresas especializado em construção civil, energias renováveis e equipamento industrial de grande porte como gruas e plataformas elevatórias.

A iniciativa surge na sequência do plano de Ordenamento da Zona Industrial de Paramos recentemente apresentado pela Câmara Municipal de Espinho com o objetivo de captar investimento que permitisse criar uma nova centralidade na freguesia de Paramos, conjugando as áreas afetas à exploração de atividades económicas com a consolidação de novas zonas habitacionais e a melhoraria das infraestruturas de acesso rodoviário. 

Implantado num terreno de 58.000 metros quadrados e reservando 23.000 para construções cobertas, o futuro Centro Empresarial de Espinho vai dispor de valências comuns como salas de reuniões e cafetaria e incluirá estacionamento próprio com capacidade para 500 viaturas e pontos de carregamento para veículos elétricos. 

Para Hugo Pinto, diretor de investimentos do Grupo Tagar, este projeto “representa um nível de modernidade importante para o setor empresarial de Espinho e acreditamos que funcionará como um estímulo para a atividade das empresas e profissionais que se associarem ao projeto, dada a dinâmica que todo o complexo vai ter e a rede parcerias que facilitará.” 

Miguel Reis, Presidente da Câmara Municipal, que acompanhou a visita ao local onde nascerá o Centro Empresarial de Espinho, vê este projeto como “uma excelente notícia para Espinho e para os Espinhenses. É um investimento que terá repercussões muito positivas em várias frentes – melhora as condições para o crescimento e fortalecimento do tecido empresarial do concelho, criará entre 400 a 500 novos postos de trabalho e permite criar uma nova centralidade no nosso território. É um sinal claro de que a visão de desenvolvimento da autarquia tem correspondência nos agentes do setor privado e permitirá que o concelho cresça e se consolide para sul.” 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *