PJ dirige megaoperação de combate ao tráfico de droga detém dois suspeitos no Porto
PJ dirige megaoperação de combate ao tráfico de droga detém dois suspeitos no Porto

PJ dirige megaoperação de combate ao tráfico de droga detém dois suspeitos no Porto

Partilhar:

A Polícia Judiciária (PJ) está a conduzir uma operação em “larga escala” contra o tráfico de droga, hoje, terça-feira, na zona do Porto, visando a detenção de aproximadamente 10 suspeitos, incluindo o suposto líder desta rede criminosa. Há pelo menos duas pessoas detidas até ao momento.

A Rádio Metropolitana Porto sabe que entre os detidos estão os líderes de uma das mais importantes redes de distribuição de cocaína do Grande Porto, principal abastecedora do tráfico verificado em bairros, designadamente da Pasteleira, do Cerco, de Francos e de Ramalde.

Para além do alegado líder desta rede internacional de tráfico de droga, um ex-polícia, identificado como ‘Joca’, a PJ também deteve esta manhã um homem associado a um stand de automóveis na área da circunvalação do Porto.

Esta operação visa desmantelar a maior rede de tráfico de droga do país, que importa estupefacientes “em grandes quantidades” da América Latina para posterior distribuição e venda na região norte, especialmente no Grande Porto.

A PJ revelou que o objeto das investigações realizadas pela Diretoria do Norte, está a apreensão pela Polícia Federal do Brasil, no Porto de Santos, no verão passado, de uma máquina agrícola que ocultava cerca de 43 kg de cocaína, pronta a embarcar com destino ao Porto de Leixões.

Neste caso, a PJ identificou os envolvidos na operação de importação desta droga, como também os investidores que a haviam encomendado.

Uma fonte judicial, revelou a possibilidade de uma terceira detenção ao longo do dia de hoje. Este indivíduo, oriundo da zona do Minho, estaria envolvido no negócio de lanchas rápidas, presumivelmente utilizadas para o transporte das substâncias ilícitas.

Os detidos serão apresentados ao Tribunal de Instrução Criminal do Porto na quarta-feira para interrogatório.

Foto: DR

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *