Porto volta a restringir acesso a automóveis nas ruas do centro da cidade

Porto volta a restringir acesso a automóveis nas ruas do centro da cidade

07/01/2022 0 Por admin
Partilhar:

A Câmara do Porto anunciou esta sexta-feira que a partir do dia 16 de janeiro passam a vigorar as novas regras de acesso automóvel às zonas de trânsito condicionado (ZAAC), nomeadamente, as ruas de Santa Catarina, Cedofeita, Flores e Ribeira, precisamente um dia depois de terminar a inscrição obrigatória para entrada nas áreas em causa.

“Os condutores que, comprovadamente, necessitem de aceder ao interior destas zonas, têm até dia 15 para fazer o registo obrigatório numa plataforma digital”, informou a Câmara Municipal, adiantando que vai realizar um webinar “para dissipar qualquer dúvida” na próxima segunda-feira, 10 de janeiro.

A sessão vai decorrer no período da tarde, entre as 14h00 e as 14h30, sendo que os cidadãos interessados em participar devem inscrever-se, previamente, através do link disponibilizado na página oficial da Câmara Municipal.

Das alterações introduzidas ao regulamento das ZAAC, a autarquia “ressalta a possibilidade de residentes ou comerciantes sem estacionamento poderem aceder ao interior destas zonas a qualquer hora do dia (por períodos até 30 minutos), tendo sido ainda alargado o horário de entrada para cargas e descargas e operadores logísticos (que passam a usufruir de até 30 minutos de permanência gratuita, num período mais alargado, das 00h00 às 11h00 e das 21h00 às 24h00).

“Se o tempo de permanência no interior das ZAAC for superior ao estipulado, são cobrados 7,50 euros como penalização, mas o intuito do Município do Porto é que não haja lugar a qualquer cobrança”, esclarece.
As autorizações em vigor mantêm-se sem alteração até ao dia 15 de janeiro.

A Câmara Municipal refere ainda que o pedido de acesso às outras zonas onde o trânsito automóvel é condicionado deve ser feito sempre através do Portal do Munícipe.

Importante referir que a delimitação das Zonas de Acesso Automóvel Condicionado (ZAAC) surgiu em 2018 com o objetivo de “permitir acolher, em condições de conforto e de segurança, os grandes fluxos e concentração de pessoas” nas zonas de maior procura da cidade, sobretudo nas artérias mais comerciais e turísticas do Centro Histórico.