PSP do Porto Investiga Assaltos em Ramalde e Implementa Medidas para Aumentar Segurança
PSP do Porto Investiga Assaltos em Ramalde e Implementa Medidas para Aumentar Segurança

PSP do Porto Investiga Assaltos em Ramalde e Implementa Medidas para Aumentar Segurança

Partilhar:

A PSP do Porto afirmou, esta sexta-feira, que os assaltos na zona de Pinheiro Manso, em Ramalde, estão a ser alvo de inquéritos judiciais e que está a trabalhar para aumentar o sentimento de segurança da população.

Em resposta escrita enviada à Lusa, a PSP destacou que “tem procurado desenvolver um policiamento que conduza à diminuição das causas de contestação da população ali residente”.

Vários moradores de Ramalde, a segunda freguesia mais populosa do concelho do Porto, planeiam criar uma associação para alertar entidades públicas, como a Câmara do Porto e o Ministério da Administração Interna (MAI), sobre o aumento da criminalidade e insegurança na zona de Pinheiro Manso.

Segundo os moradores, os assaltos, realizados “sobretudo por toxicodependentes”, são diários.

Além de assaltarem carros, roubam tampas de esgotos, grelhas de sarjetas, telhas e placas de zinco.

Alegadamente, esses objetos e materiais são vendidos a um sucateiro que opera nas proximidades da freguesia.

Questionada pela Lusa, a PSP avançou que, relativamente aos ilícitos criminais, “estão a decorrer inquéritos judiciais”.

A PSP assegura ainda estar atenta e a trabalhar para “aumentar o sentimento de segurança dos cidadãos, assim como diminuir os índices de criminalidade, no intuito de conferir maior segurança no local”.

Na quinta-feira, em declarações à Lusa, a presidente da Junta de Freguesia de Ramalde, Patrícia Rapazote, defendeu a necessidade de reforçar a presença da PSP face à “onda contínua de assaltos” e de reabrir uma esquadra “para garantir a segurança” dos mais de 38.000 habitantes.

Em Ramalde já chegaram a existir três esquadras da PSP (Pinheiro Manso, João de Deus e Francos), mas atualmente só existe uma, a Esquadra do Viso.

Além do reforço dos efetivos e esquadras da PSP, Patrícia Rapazote destacou a importância do sistema de videovigilância, em operação desde junho de 2023 na cidade, ser alargado a Ramalde.

“Seria muito importante, não como substituição da PSP, mas como uma ferramenta útil e de auxílio aos profissionais”, observou, acrescentando que o sistema poderia também ser dissuasor da criminalidade.

Em outubro de 2023, o Comando Metropolitano da PSP do Porto informou que a criminalidade violenta e grave naquela zona tinha aumentado em comparação com 2022, bem como o número de detenções relacionadas com o tráfico de estupefacientes.

No entanto, a criminalidade geral participada diminuiu, com 358 crimes registados em 2022 e 323 em 2023.

Foto: DR

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *