Simpósio Internacional de Pirilampos reúne em Gaia especialistas de todo o mundo
Simpósio Internacional de Pirilampos reúne em Gaia especialistas de todo o mundo

Simpósio Internacional de Pirilampos reúne em Gaia especialistas de todo o mundo

Partilhar:

De 15 a 18 de junho, o Parque Biológico de Gaia irá acolher um simpósio internacional que vai reunir 75 especialistas e estudiosos de 22 países, numa organização conjunta entre a Câmara Municipal de Gaia e a Fireflyers International Network (FIN).

De acordo com especialistas da área, o foco do interesse dedicado aos pirilampos no âmbito da biologia, de estudos de comportamento, da sistemática e da conservação da Natureza tem aumentado um pouco por todo o Mundo.

O principal objetivo deste encontro passa por agregar uma comunidade global envolvida na conservação e estudo dos pirilampos, através de uma partilha de conhecimentos e de uma estruturação de processos de colaboração. Deste modo, as variações ecológicas, morfológicas e comportamentais que caraterizam as várias espécies de pirilampos podem ser documentadas e avaliadas por uma diversificada comunidade de investigadores que ao longo de quatro dias estará em Vila Nova de Gaia.

Entre os oradores presentes, destaque para Choong Hay Wong (Malásia), Arja Kaitala (Finlândia), Fabien Verfaillie (França), Yuichi Oba (Japão), Raphael De Cock (coordenador do programa científico, Bélgica), Francesco Mariotti (Suíça) e Sara Lewis (EUA). Além destes, o simpósio contará com a presença de especialistas de todo o mundo, como Tailândia, Taiwan, Bolívia, Espanha, Croácia, México, Colômbia, Itália, Sri Lanka, Brasil, Israel, Singapura, Áustria, Índia, Reino Unido, Austrália e China.

Ficarão, assim, criadas condições para dialogar sobre a necessidade de uma metodologia assente na melhoria das espécies mais ameaçadas, bem como dos seus habitats. Entre as causas que estão a levar ao desaparecimento das espécies de pirilampos, destaque para a poluição química, luminosa e a perda de habitat. Importa debater sobre as causas da interferência humana, sabendo que, por exemplo, o excesso de luz artificial dificulta a comunicação entre os pirilampos e a sua reprodução. A lanterna destes insetos não consegue competir com a luz emitida pelas lâmpadas criadas pelo ser humano.

Este certame já conta com cinco edições, que decorreram entre 2007 e 2017, em Portugal, Tailândia, Malásia, EUA e Taiwan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.